Como identificar a idolatria do nosso coração? | Rev. Thiago Mattos

03.06.2022

Como identificar a idolatria do nosso coração? | Rev. Thiago Mattos

Estamos idolatrando outro objetivo de vida.

“Os ídolos das nações são prata e ouro, obra de mãos humanas.” (Salmo 115:4)

    Para que possamos tratar da idolatria com mais profundidade, precisamos começar a meditar sobre algumas outras coisas que, normalmente, nós não pensamos. Por exemplo: o que, de fato, te motiva a levantar da cama todas as manhãs? Provavelmente, você pense: “o que me motiva são os boletos que vão vencer!” ou, talvez, “preciso cuidar da minha família…” ou, até mesmo, “preciso me ocupar pra não pensar/fazer besteira!” Quando nossa maior motivação para levantarmos pela manhã é algo diferente do que o próprio Deus e sua graça, então, é porque estamos idolatrando outro objetivo de vida.


    Pense em algo que, se você perder, tornaria a sua vida sem sentido. Ou, quem sabe, algo que você considera que tornaria a sua vida melhor e mais feliz se você possuísse. Pois bem… este algo ou alguém é o seu ídolo.

Quando mentimos ou falhamos em amar, estamos concendendo nosso senhorio em outros deuses.

    Veja como isso é profundo: você já parou pra pensar o motivo pelo qual, em algumas situações você mente? Permita-me dizer isso de outra forma – você não é uma pessoa mentirosa. Você é alguém que fala a verdade em todas as situações. Mesmo quando está sobre pressão, você permanece firme contra a mentira e acredita fielmente que a verdade é sempre melhor, não é mesmo? No entanto, você vai lembrar muito bem de alguma situação em que você mentiu… É nesse momento que você pode identificar a idolatria, afinal, você, que sempre fala a verdade, mentiu para preservar aquilo (ou aquele) que idolatra.


      Na verdade, todas as vezes que mentimos, ou que falhamos em amar, ou quando vivemos de modo egoísta é porque estamos concedendo o senhorio de nossa vida a falsos deuses: seja o dinheiro, o sucesso, a família, o poder, o louvor e a aprovação de outras pessoas, o reconhecimento, o sexo, a moralidade, a identidade social e, até mesmo, o seu senso de ‘certo e errado’ (de justiça). Mas perceba: nem mesmo essas coisas são fáceis de identificar.

Podemos idolatrar o dinheiro.

   Veja o dinheiro, por exemplo. Alguém pode idolatrar a segurança que o dinheiro supostamente traz. Outra pessoa pode idolatrar o conforto que o dinheiro supostamente traz. Um terceiro pode idolatrar o ‘status’ que o dinheiro supostamente traz. Aquela primeira pessoa, que está pensando na segurança, irá acumular o máximo que conseguir e, muitas vezes, será dominado pela avareza. O segundo, por outro lado, pode gastar os seus haveres com viagens, entretenimento, uma boa televisão e um sofá confortável, alimentando, assim, a preguiça. O último, por sua vez, pode ser tomado de tal forma pelo desejo de ostentar que acumulará dívidas para receber o louvor que sua alma deseja.


   O mesmo pode acontecer com todos os outros ídolos que cultivamos em nosso coração. Mas o fato é que todos os seres humanos acabam baseando suas vidas em algum interesse supremo ou alguma submissão total a algo (ou alguém). E, quando isso acontece conosco, provamos de muitos prejuízos e, de fato, a persistência na idolatria acaba por nos destruir. Na próxima semana, veremos o prejuízo que a idolatria causa em nós.

Que Deus tenha misericordia de nós!

Rev. Thiago Mattos.
Igreja Presbiteriana do Tarumã

Saiba mais sobre a IPT clicando aqui 

Curtiu? Então compartilhe este post com alguém!

Share on facebook
Share on whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Venha nos conhecer

Sua presença será uma alegria para nós, entre em contato
para agendarmos sua participação.