O verdadeiro problema da humanidade e sua única solução | Rev. Lucas Maracci

29.07.2022

O verdadeiro problema da humanidade e sua única solução | Rev. Lucas Maracci

O problema de todo ser humano é o pecado.

     Ainda que as mudanças climáticas, a crise econômica, o caos político e social afetem abrangentemente toda a vida humana, não são estes que definem, de fato, o problema real da humanidade. O problema de todo ser humano é o pecado.

     O Catecismo maior de Westminster diz que “pecado é qualquer falta de conformidade com a Lei de Deus ou a transgressão de qualquer lei por ele dada como regra à criatura racional”, tomando como base o que diz na Primeira Epístola de João 3.4. e na Epístola da Paulo aos Gálatas 3.10. O pecado não faz parte do projeto criacional de Deus para o homem, no sentido de que o homem não nasceu pecador e nem foi constituído para lidar, nem conhecer, o que é mal. No livro do Gênesis, capítulo 2, verso 16 e 17, lemos a instrução acerca de como deveriam se portar o primeiro homem e mulher criados: “E o Senhor Deus lhe deu essa ordem: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás, porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás.”. A árvore designada como do conhecimento do bem e do mal não carrega esse nome por acaso, mas fala diretamente do seu objetivo, fazer o ser humano conhecedor não só do bem para o qual foi criado, mas também o mal que ainda não conhecia. A proibição divina demonstra que o homem não fora feito para tal, pois este não tem condição de lidar com o mal sem que se corrompa. Pode-se observar que o pecado é algo que atinge todo ser humano desde a sua concepção (cf. Salmo 51.5) e que não é o problema de alguns homens, mas de todo ser humano que nasce a cada instante.

    

Todos pecaram e carecem da glória de Deus.

   Uma vez que o pecado é geracional, percebe-se que há um fator intrínseco que leva o pecado adiante em todo homem. Isso é o que a teologia chama de pecado original que se distingue do pecado fatual. O pecado original tem relação com a condição que se encontra todo ser humano desde sua concepção. Já o pecado fatual são os atos pecaminosos cometidos ao longo da vida seja por palavras, ações ou pensamentos. Essa distinção é importante, pois ela desmascara o mito da perfeição moral comportamental. Moldar apenas o comportamento do ser humano é inútil quando ele tem sua existência condicionada a perversão do pecado.  Esse mesmo entendimento também coloca em xeque a ideia de que qualquer indivíduo nasce bom e aprende a pecar e assim se torna mal. Não obstante, não é o pecado fatual que o torna pecador, mas o próprio pecado original, herdado de Adão que o condena eternamente. Isso não desresponsabiliza o pecador de cada um dos pecados fatuais e nem o coloca em uma posição de isento de seus pecados cometidos.6 

    Assim, “…todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Romanos 3.23). “Não há um justo sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer” (Romanos 3:10-12). O pecado não é, portanto, uma possibilidade, mas um fato, uma condição condenatória e corruptiva na vida de todo ser humano desde sua concepção. 
O único desfecho restante para estes pecadores é a morte. Não somente a morte que advém do pecado original. Sem a manutenção da árvore da vida, o homem caminha diariamente em direção a sua morte física. Todavia, essa não é nem de longe a pior delas. A principal consequência do homem não é sua vida de sofrimento e imoralidade por causa de suas más escolhas, mas a more eterna a que está condenado por conta de sua condição fatal e irreversível pelos seus esforços. A sentença do homem é promulgada ainda no Eden, se o homem desobedecesse a Deus, comendo do fruto proibido, certamente morreria (cf. Gênesis 2.16,17). Esta sentença é confirmada pela Escritura em vários trechos como Romanos 6.23 que afirma que “o salário do pecado é a morte”.  Considerando aqui não só a morte física, mas certamente a morte espiritual, a condenação ao inferno, lugar de sofrimento e dores eternas, onde o homem não encontrará paz jamais.

    A grande esperança do homem e se encontra no fato de que apesar de toda essa condição pecaminosa, o mesmo Deus que foi desobedecido, em seu grande amor. Providenciou a salvação. Ele mandou seu filho único, Jesus Cristo. Para que todo aquele que cresse nele, pudesse provar de total redenção dessa condição (João 3.16). A morte de Cristo é representativa e faz com que todo aquele que creia nele receba as bênçãos espirituais que ele é herdeiro como filho de Deus (Romanos 10.9-13). Ele não pecou jamais, mas encarnou, viveu entre os homens, morreu e ressuscitou, fazendo justiça pelos pecadores. O único caminho de liberdade da escravidão que o pecado nos deixou é Cristo Jesus. Basta entregar sua vida a Jesus e clamar pela sua salvação. Ele te responderá e você receberá nele uma vida nova e uma maneira nova de viver pela verdade da Sua Palavra, a Bíblia.

Que Deus nos abençoe,

Rev. Lucas de H. P Maracci
Igreja Presbiteriana do Tarumã

Saiba mais sobre a IPT clicando aqui 

Curtiu? Então compartilhe este post com alguém!

Share on facebook
Share on whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Venha nos conhecer

Sua presença será uma alegria para nós, entre em contato
para agendarmos sua participação.