20.01.2022

Um vicio chamado ORGULHO: existe cura?- | Lohan Couto.

Orgulho o maior vicio do coração humano.

    Certa vez, C. S. Lewis afirmou que o orgulho é o maior e mais grave vício do coração humano, sendo impossível que alguém orgulhoso conheça verdadeiramente a Deus. A razão disso, para ele, é que “O homem orgulhoso sempre olha de cima para baixo para as outras pessoas e coisas; é claro que, fazendo assim, não pode enxergar o que está acima de si(“Cristianismo puro e simples”).

  A provocação de Lewis, apesar de dura e categórica, parece retratar de forma bastante autêntica a realidade de nossos dias. Cada vez mais, os valores sociais levam as pessoas a competirem desenfreadamente e a todo custo, passando por cima umas das outras a fim de ocuparem o lugar “que lhes pertence”.

   Seja com base em níveis de instrução acadêmica, beleza estética, posições políticas, bens materiais, relacionamentos ou doutrinas religiosas, nada parece escapar do anseio humano por se sentir superior aos outros, e o resultado, infelizmente, é uma sociedade egocêntrica que, por estar cega ao próprio pecado, não consegue enxergar a Deus.

Orgulho Silencioso.

   Mas se o orgulho caracteriza genuinamente a sociedade atual, também é verdade que esse vício pode se fazer presente na vida do cristão. Um risco pouco percebido, mas igualmente real e perigoso, é o de nos sentirmos bons – e, sobretudo, superiores aos outros – em virtude de nossa vida religiosa. Não há nada mais desastroso para um filho de Deus que a manutenção de um orgulho silencioso, quase imperceptível, travestido de devoção e santidade, pois é nessa performance falaciosa que ele se sente autossuficiente e digno de alguma coisa da parte de Deus.

     Numa situação parecida, em que os discípulos discutiam sobre quem ocuparia lugares de prestígio no Paraíso, Jesus Cristo lhes ensinou que o Reino de Deus se difere completamente dos governos orgulhosos e dominadores deste mundo, dizendo: “Não é assim entre vós; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que vos sirva; e quem quiser ser o primeiro entre vós, será vosso servo” (Mateus 20:26-27). Em seu ministério, Jesus apresentou a realidade de um Reino Invertido, que nos leva a amar nossos inimigos, a oferecer a outra face, a orar em secreto e a servir com uma mão sem que a outra o saiba. Em suma, nos ensinou a viver uma vida de humildade, oferecendo a si próprio como o modelo a ser seguido, como continuou em sua fala aos discípulos: “tal como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos” (Mateus 20:28).

A Caminhada sincera com Jesus.

     Uma caminhada sincera com Jesus, em espírito e em verdade, deve nos levar a esquecermos de nós mesmos, ou seja, a pensarmos menos sobre nossa reputação e esforço e reconhecermos que, na condição de pecadores, somos totalmente dependentes do Eterno. Trata-se de uma trilha desafiadora, já que envolve nosso chamado para sermos luz em meio a uma geração cega, oprimida e ansiosa por seu próprio orgulho.

     A boa nova, contudo, é que há cura para o vício, e a fonte onde se pode encontrá-la é o próprio Evangelho: o lugar onde contemplamos a vida, o sacrifício e a ressurreição dAquele que, mesmo sendo Deus, fez-se Servo, escolhendo olhar não para si mesmo, mas para a vontade que seu Pai tinha acerca de seu destino.

Que o Evangelho nos constranja, todos os dias!

Lohan Ribeiro Couto 
Igreja Presbiteriana do Tarumã

Saiba mais sobre a IPT clicando aqui 

Curtiu? Então compartilhe este post com alguém!

Share on facebook
Share on whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Tabela

Venha nos conhecer

Sua presença será uma alegria para nós, entre em contato
para agendarmos sua participação.